Os mistérios do chá escuro

20190204_154339

As semanas voaram e chegamos ao último representante da dinastia dos sagrados e amados chás, descendentes da matriarca Camellia Sinensis. Para encerrar com pompa e circunstância a nossa saga, apresento-lhes neste momento o sublime, envolvente e encantador chá escuro! (Aplausoooooos! Pode bater palma de verdade, ele merece, ele merece! Rs!)

Tijolinhos de chá escuro – em duas versões – vestido, como veio, e desnudo, pronto para mergulhar na água quente! Rs!

Se fôssemos compará-lo a uma bebida alcoólica, ele estaria para o whisky. É um chá que passa por etapas de oxidação e fermentação – sujeito a calor, umidade, bactérias e fungos do bem, por um determinado tempo, tudo para fazer um chá incrível, pode confiar. É tipo a gente, que só melhora ao envelhecer, sabe? Com tudo isso, vai ficando mais rico em aromas, sabores… Poderíamos dizer que “adquire experiência” e mostra sua melhor versão! 🙂

Normalmente se apresenta comprimido, em tijolos ou bolos, o que também é importante para sua maturação; mas você também encontra em folhas soltas.

Pode se classificar em “cru” (sheng), se a fermentação se der de modo natural, envelhecido com o tempo mesmo, de um até cinquenta anos (dizem que os melhores têm entre cinco e vinte anos de maturação), ou “cozido” (shou), pós-fermentado de forma induzida, lavado com as colônias de bactérias originadas dos chás escuros crus.

É chique, refinado e também misterioso. Alguns exemplares viram até item de colecionador!

Chá escuro comprimido em formato de elefante, na Loja Chayê, em São Paulo. Acho que se tivesse um desses, não teria nem coragem de dividir com o mundo… É lindo demais! ❤ (foto: instagram @chayebr)

No caso do chá escuro cru, tende a perder adstringência e amargor para ganha doçura, tudo com o tempo (viu como o passar dos anos faz bem?). O cozido costuma ser mais leve e doce, mas carrega o gosto de terra e/ou chocolate consigo.

Os chás escuros mais famosos do mundo vêm da Província de Yunnan, na China, na região de Puerh. Há teóricos que chamam o próprio chá escuro de Puerh, mas, na verdade, o Puerh-real-oficial é apenas o produzido nesta localidade, tipo denominação de origem mesmo; nos demais lugares, vamos chamar de chá escuro para evitarmos confusão.

Sou completamente encantada pelo chá escuro. Ele tem uma complexidade que me deslumbra! É o meu companheiro no trabalho, à tarde, e ainda ajudou a controlar minhas taxas de colesterol, loucas e rebeldes. A medicina tradicional chinesa recomenda seu uso para fins depurativos e digestivos e eu me joguei na recomendação! Harmonizado com comida, super combina com chocolate e comidas mais pesadas e gordurosas, tanto pelo sabor quanto pela “faxina” que vai realizar no organismo.

Para o preparo, como se trata de um chá envelhecido, recomenda-se uma primeira “lavagem” das folhas; joga-se água quente sobre elas, drenando imediatamente, como se fosse uma primeira infusão vapt-vupt, um banho mesmo. Em seguida, infusão normal, de 2 a 4 minutos, em temperatura entre 90 a 100oC. Costumo usar 95oC, inicialmente por 2 minutos, funciona bem. Em regra, no caso de chás escuros mais simples, faço mais duas infusões com a mesma erva, aumentando 1 minuto a cada nova infusão. Sou apegada ao chá, gente! Extraio até a última gota! 🙂

Chegamos, aqui, ao fim da apresentação da família. Agora que já estamos todos íntimos, podemos passar a outros assuntos, como utensílios, formas de preparo, experiências sensoriais com chás e tisanas, recomendações de lugares incríveis para termos o nosso momento mágico. Você também pode sugerir assuntos para explorarmos. A coluna só existe pelo seu interesse, então vamos juntos nos divertir nessa viagem, distribuindo leveza ao mundo em xícaras de amor. Estou aqui, todo dia para lhe ouvir, toda quinta para escrever sobre chá, sobre o mundo que há em torno dele…

Ah, se quiser me acompanhar pelo Instagram ou Facebook , costumo postar umas imagens que ilustram na prática tudo o que falamos por aqui, feitas a partir do meu #momentomágico: @chazeira (insta) ou @eloinachazeira (face) . Te espero lá, pra não morrermos de saudade até a próxima quinta, certo?

Beijos e bons chazinhos!

Especialista em chás

Se tiver chá, lá ela estará! Apaixonada pelo mundo dos chás e tudo o que com ele se relaciona, de porcelana a livros, de lugares a receitas, de comidinhas a experiências. Acredita que a xícara perfeita é capaz de criar momentos mágicos; a eles se entrega com toda a sua verdade... E eterna curiosidade! Especialista em chás e tea blender por paixão, servidora pública por profissão. Em Brasília/DF.

Deixe um Comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.