Mungunzá, cachupa e canjica, qual a diferença?

Mungunzá

Mungunzá e canjica. Existe uma confusão em terras brasileiras entre os dois nomes. No Nordeste, mungunzá é o que os moradores de outras regiões — como Centro-Oeste e Sudeste — conhecem por canjica.

Para os nascidos na parte de baixo do mapa, além de ter outro nome, o mungunzá só é consumido em receitas doces. No Nordeste, pelo menos em partes do interior do Ceará, Paraíba, Pernambuco e Rio Grande do Norte, ele também é feito salgado, às vezes misturado com feijão.

Certo, mas o que a cachupa tem a ver com isso? Pois não é que que em Cabo Verde fazem um mungunzá salgado muito parecido com o que se faz no interior nordestino?! Só que lá eles capricharam na receita e fizeram algo parecido com a feijoada, misturando muitas carnes ao milho.

Milho que, aliás, nem existia em Cabo Verde antes de Pedro Álvares Cabral aportar por aqui. Ou seja, a ex-colônia portuguesa conheceu o grão importado de outra então colônia, o Brasil, segundo relata o escritor cabo-verdiano Germano Almeida.

Uma legítima cachupa, com milho de munguzá

Já receita do mungunzá, que lá virou cachupa, ninguém pode dizer que foi copiada daqui. E se foi, ganhou personalidade, pois a cachupa, além de carnes variadas, leva leite de coco, mandioca, banana, inhame, couve, frango… A lista de ingredientes é enorme.

E eles também a comem frita. Da seguinte forma, deixam a cachupa sem o caldo de um dia para o outro. Depois, refogam na frigideira e vem daí a cachupa frita. E frita ou no molho, o povo de Cabo Verde também gosta comê-la no café da manhã, com ovo estrelado e linguiça.

Agora, se você é dos que acham que mungunzá (ou, vá lá, canjica) só pode ser doce e está se perguntando “será que isso presta?”, faz o seguinte: experimente e vai passar a se perguntar é “por que não conheci isso antes?”.

P. S. 1 – Surpresa das surpresas foi encontrar uma receita de mungunzá salgado no site da Nestlé ,aquele bonitão da foto do alto

P.S. 2 – Se quiser fazer a receita da cachupa, sugiro a do Conexão Lusófona, a da foto no meio da matéria.

Jornalista

Jornalista paraibano radicado em Brasília. Há 30 anos, trabalha com jornalismo cultural e, mais recentemente, com os assuntos de gastronomia. Passou pelas redações do Jornal de Brasília, Correio Braziliense, Jornal da Paraíba, Veja Brasília e site Metrópoles. É autor do livro O Fole Roncou, finalista do Prêmio Jabuti em 2013. Atualmente, também é editor do Boníssimo (link para bonissimo.blog), blog que aborda assuntos de cultura, diversão e ações positivas. Está no Gastronomix desde sua criação em 2009.

4 Comentários

  1. Na região entre Pernambuco e Bahia, na área de influência de Petrolina, o mugunzá salgado recebe o nome de "pintado". Tem feijão de corda muitas carnes, principalmente caprinos. Atualmente se coloca até charque e linguiça. Me criei em Pernambuco, no Pajeú. Algumas pessoas também chamavam o munguzá ( doce e salgado) de "chá de burro".

    • Que interessante, Aldo Sou do interior da paraíba. Lá só chamam mugunzá mesmo e eu não comia havia muito tempo. Por esses dias, lembrei e inventei uma receita. Voltei no tempo.

  2. Comi pela primeira vez e adorei, quero experimentar todas as versões.

Deixe um Comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.