O hambúrguer ralou bastante…

hamburguer

Tem receita mais versátil do que o hambúrguer? Bom… Provavelmente, tem, mas ninguém vai contestar se eu disser que essa combinação de pão cortado em duas metades com um disco de carne no meio é pau pra toda obra.

Símbolo do fast-food, ou seja, comida rápida e popular, o hambúrguer ganhou novas versões e hoje consta nos cardápios de restaurantes chiques, a preços que se equiparam aos de outros pratos considerados finos. Virou o que chamam “gourmet”.

Até chegar aí, porém, o sanduíche protagonizou história longa e tortuosa, de início impreciso e cheia de disse-me-disse. Pra começar, é considerado comida típica dos Estados Unidos, mas sabe-se que foi levado para lá no século 19 por imigrantes alemães, originários da região de Hamburgo — daí o nome.

Os alemães, por sua vez, teriam sido apresentados ao sanduba pelos povos tártaros, vindos da Rússia, que tiveram a ideia de colocar a carne de má qualidade sob a cela dos cavalos, para amaciá-la. Deu supercerto. Dentro de um pão, então… Huuu!

Mesmo assim, não faltam candidatos americanos ao posto de criador da receita. Consta, por exemplo, que na Feira do Condado de Outagamie, Winsconsin, em 1885, um certo Charles Nagreen vendeu almôndega achatada entre dois pedaços de pão. A intenção era que ficasse mais fácil de comer o bolinho de carne.

Peraí, Mr. Nagreen! Mas nesse mesmo ano, em outra feira, a do Condado de Eerie, Nova York, uns tais irmãos Menches estavam comercializando um sanduíche parecido, que batizaram de “sanduíche Hamburguer”. Como o senhor explica isso?

Para completar a confusão, aparece depois o texano Fletcher Davis, visto fazendo sanduíches de carne moída no fim da década de 1880 e lançando sua “invenção” na Feira Mundial de St. Louis, no Missouri, em 1904…

Mas, como dizia Chacrinha, neste mundo nada de inventa, tudo se copia. Vai ver eles estavam apenas seguindo intuitivamente algo que já estava no ar. Uma receita barata, rápida, prática e bem adequada às mudanças que surgiam no estilo de vida no fim do século 18.

A White Castle existe até hoje. Agora com sede em Columbus, Ohio. A rede mantém-se como empresar familiar, nunca apostou em franquias.

Aí, pronto. Apareceram as redes de fast-food — a primeira de hambúrgueres especificamente foi a White Castle Co., em Wichita, Kansas, em 1921 — e o hambúrguer começou a ganhar a América e o mundo.

E onde entra o velho McDonald’s nessa história? A rede (que tem sua história contada no filme “Fome de Poder”) só começou a vender hambúrgueres em 1948. Portanto, as lanchonetes do McDonald’s, no máximo, popularizaram mundialmente o trio hambúrguer, fritas e milk-shake. O que não é pouca coisa.

Fonte principal: “As Piores Invenções da História e os Culpados por Elas”, de Eric Chaline. Foto: hambúrguer da Limoeiro Casa de Comidas, de Curitiba.

Jornalista

Jornalista paraibano radicado em Brasília. Há 30 anos, trabalha com jornalismo cultural e, mais recentemente, com os assuntos de gastronomia. Passou pelas redações do Jornal de Brasília, Correio Braziliense, Jornal da Paraíba, Veja Brasília e site Metrópoles. É autor do livro O Fole Roncou, finalista do Prêmio Jabuti em 2013. Atualmente, também é editor do Boníssimo (link para bonissimo.blog), blog que aborda assuntos de cultura, diversão e ações positivas. Está no Gastronomix desde sua criação em 2009.

Deixe um Comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.