Gorós da galera, do diabo verde a pinga com mel

galera-goró

Para trazer ao Gastronomix uma pouco do contexto destes coquetéis brasileiros de “raiz”, não podia ter um consultor melhor do que meu ilustre namorado, que ao longo destes anos não só preparou como experimentou todos estes “gorós” junto aos amigos em sua trajetória de vida.

JC conta: “Estes são alguns gorós que tomava com meus amigos nos botecos das quebradas, nos bares na beira dos campos de várzea que joguei futebol durante alguns anos, quando jovem”.

Hoje muitos destes drinks se tornaram rits em bares bacanas da cidade, como releituras das receitas originais onde as marcas de bebidas populares são substituídas por rótulos importados premium.

Mas o artigo de hoje fala da raiz, da receita original e do contexto onde se bebia ou se preparava estes coquetéis.

1 – Maria Mole – MM para os íntimos – (copo americano)

O “drink da galera”. De fácil preparo, muito usado nos ônibus de torcida na idas aos estádios de futebol. Com um litro de cada bebida, adicionando uma dose de cada no copo, servia umas 40 pessoas.

-1 dose de Martini ou Contini Bianco
– 1 dose de Conhaque Dreier ou Presidente
– 1 pedra de gelo (ou não)

Mexer com uma colher de chá

2 – Bombeirinho – (copo americano)

Para os beberões iniciantes, docinho, barato e de fácil preparo.

– Encher o copo com pinga (51, velho barreiro ou similar)
– Completa com um pouco de xarope de groselha à gosto
– Mexer com uma colher de chá

3 – Pinga com mel – PM para os íntimos
(copo americano – alguns lugares vendem em copos de bambu) 

Muito consumido na praia, em São tomé das letras e Maromba (visconde de Mauá), faz sucesso por conseguir dosar o mel e poder pedir o drink mais doce. Agrada as mulheres e é bom pra esquentar os ânimos nos dias de inverno.

 JC conta: “tenho uma teoria que o mel ajuda a segurar a bebedeira, não sei se pela glicose ou por outro fator, mas sei que eu aguentava mais doses de pinga se fosse com mel do que pura”

-Encher o copo com pinga (51, velhor barreiro ou similar)
-Mel de abelha à gosto
-Mexer com uma colher de chá ou com pauzinho de bambu
– Misturar tudo e servir.

4 – Rabo de galo- (copo americano)

O coquetel dos cachaceiros natos. Uns preferem Cinzano (mais suave) outros o Cinar (mais amargo).
-1 dose de pinga (51, velho barreiro ou similar)
-1 dose de Cinzano ou Cinar
-1 pedra de gelo (ou não)
– Misturar tudo e servir

 5 – Chocolatinho – (copo americano)
Para acompanhar uma cerveja no boteco em dias de frio. Pra quem  gosta de bebida doce.

-1 dose de conhaque Dhreier ou Presidente
– ½ dose de licor de cacau
– Mexer com uma colher de chá

6 – Diabo Verde – (copo longo)

O “esquenta” da molecada menos endinheirada antes da balada.

-1 dose de vodka (bem barata) 
-½ dose de licor de menta 
– Completar com soda limonada
– 2 cubos de gelo
– Mistura a vodka com o licor e completa com a soda. O lance é, enquanto se bebe o drink, você roda os cubos de gelo com o dedo mesmo, rssss.

7 – Farmácia – (copo longo)
O drink para se embebedar literalmente, não importa o sabor o lance é ficar bêbado.

-3 doses de qualquer destilado
– Licor de menta ou groselha para dar uma cor ( a quantidade que desejar)
– 2 pedras de gelo
– Soda limonada (para completar)
– Mistura com o dedo

8 – Cu de Burro

Irmão do shot de tequila, drink dos que já estão bêbados e querem extrapolar ainda mais.

— Sobre um gomo de limão, adicione uma pitada de sal. Sugue e segure o caldo na bola e em seguida beba um shot de pinga.

Após as oito receitas dos “gorós da galera”, o que tenho a dizer é “beba com moderação” rsssss!

arquiteta, cenógrafa e blogueira de coquetelaria

Juliana Raimo presta consultoria em coquetelaria para veículos de comunicação, desenvolve cardápios de drinks conceituais junto a bartenders convidados para eventos e presta consultoria para restaurantes na conceituação e realização de cartas de drinks. Realiza também festas temáticas que unem a coquetelaria, gastronomia, arte e música. Já escreveu para mídias como Revista da Gol, Prazeres da Mesa, site Dedo de Moça, site B-Coolt entre outros. Desde 2009, assina a coluna drinkme no blog Gastronomix. Com mais de 300 artigos publicados, fala do universo dos coquetéis e convida o leigo a aprender a arte de preparar e apreciar um bom drink. Atualmente, realiza degustações de drinks por toda a cidade e leva ao leitor dicas de onde ir, quais bartenders procurar e o que beber em São Paulo e pelas cidades que passa.

Deixe um Comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.