Drinks tendência na coquetelaria

coquetelaria

A coquetelaria contemporânea ficou ultra complexa e muito rica de ingredientes. Tanto nos alimentos frescos (frutas, sucos e ervas) quanto nas misturas “home made”. Logo difícil de reproduzir em casa, o que leva o público aos bares cada vez mais . Pedi a três amigos feras na área uma receita de drink que considerassem tendência hoje e perguntei o porquê. Seguem suas criações com o modo de preparo e suas receitinhas:

1- Caminho do Sul por Marcelo Serrano

– 50ml Cachaça
– 20ml de maracujá (suco da fruta fresca)
– 10 ml suco de limão siciliano
– 2 dashes de angostura Bittar
– 25 ml xarope Monin de amêndoas

Bater todos ingredientes na coqueteleira com gelo e servir no copo baixo com gelo novo, duplamente coado. Decore com um ramo de alecrim.

Marcelo considera este drink tendência por explorar drinks com cachaça e por considerar uma combinação sensacional.

2 – Rick Brown por Talita Simoes

– 15ml Calda de tamarindo
– 30ml Suco de limão
– 60ml Vodka Wiborowa com infusão a frio de chá de amêndoas
– 30ml Cordial de gengibre
– 15ml Clara de ovo
– 5 sementes de cardamomo
– 1 limão desidratado
– Spray de angostura bitter

Preparar em coqueteleira com gelo e servir em copo bico de jaca

* Método Dry Shake invertido (bater todos os ingrediente na coqueteleira com gelo adicionando o destilado por último, coar depois bater tudo novamente só que sem o gelo para deixar a mistura cremosa. Servir )

Talita explica que o uso do “cordial” é tendência hoje, algo que todos estão substituindo ao invés de xaropes, para deixar os drinks menos doce e compactar os ingredientes deixando o mais cítrico e leve. É como um xarope de açúcar só que com infusão de limão com casca e outros ingredientes, aqui no caso o gengibre. (duração do processo – 2 horas)

3 – Barra Martini por Washington Silvestre

– 45 ml Chivas 18
– 15 ml Bacardi Ocho años
– 10ml Sao João da Barra
– 5ml xarope baunilha
– Três dashes de bitter de Carvalho/Cacau

Adicione todos os ingredientes em uma coqueteleira com gelo bata vigorosamente e sirva em taça.

O bitter é feito com castanhas germinadas de cacau, o que diminui seu amargor e ressalta a acidez. Ótimo contra-ponto ao dulçor do xarope de baunilha, que está ali para elevar as notas de castanha da base alcoólica. São João da Barra, tradicional bebida dos botecos brasileiros chega com seu leve e surpreendente defumado complementado mais uma vez pelo bitter que já apresenta o aroma já antes do primeiro gole.

Washington acredita que esse tipo de coquetel, construído para ressaltar as notas da base alcoólica e sem muitas “firulas” tem se tornado tendência de uns tempos pra cá, drinks secos em sua maioria, mas neste caso tirando proveito da qualidade de produtos locais e tradicionalmente brasileiros, como o conhaque de alcatrão e as castanhas de cacau da Amazônia.

Vamos agora praticar estas receitas deliciosas em casa!

arquiteta, cenógrafa e blogueira de coquetelaria

Juliana Raimo presta consultoria em coquetelaria para veículos de comunicação, desenvolve cardápios de drinks conceituais junto a bartenders convidados para eventos e presta consultoria para restaurantes na conceituação e realização de cartas de drinks. Realiza também festas temáticas que unem a coquetelaria, gastronomia, arte e música. Já escreveu para mídias como Revista da Gol, Prazeres da Mesa, site Dedo de Moça, site B-Coolt entre outros. Desde 2009, assina a coluna drinkme no blog Gastronomix. Com mais de 300 artigos publicados, fala do universo dos coquetéis e convida o leigo a aprender a arte de preparar e apreciar um bom drink. Atualmente, realiza degustações de drinks por toda a cidade e leva ao leitor dicas de onde ir, quais bartenders procurar e o que beber em São Paulo e pelas cidades que passa.

Deixe um Comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.