Choperia São Paulo, 20 torneiras e o universo das cervejas artesanais

DSC_5064

Conversando com meu amigo Harriot Junior, sommelier de cervejas, comentei da minha vontade de passar a entender melhor sobre este maravilhoso fermentado para que eu mesma pudesse escolher melhor na hora de pedir. Hoje, são tantas variedades e tantas terminações de tipo, procedência e grau ABV, que se não tivermos um mínimo de conhecimento do tema, acabamos escolhendo pela indicação do garçon.

Harriot um super estudioso no assunto, depois de passar pela famosa Cervejaria Delirium Café (SP) se juntou, este ano, ao grupo. A Choperia São Paulo fica na charmosa rua dos pinheiros no meio do burburinho dos restaurantes da região. Com um estilo mais rústico, explora o vermelho para dar destaque ao quadro das 20 torneiras de chope cuidadosamente selecionadas pelo time de cervejeiros da casa. Todas as marcas são nacionais e em sua maioria do estado de São Paulo.

Classificações das cervejas artesanais hoje:

1.LAGER
– Pilsen
– American Lager (tipo Stella Artois, Heineken, Skol…

2.ALE
– Ipa
– Weiss (trigo)

3.FERMENTAÇÃO ESPONTÂNEA

Para definir a ordem da degustação fomos do menor teor alcoólico ao maior e do menos ao mais amargo. A casa tem uma degustação de 04 chopes perfeita para fazer este tipo de experimento. Custa de R$45 a R$60 dependendo dos chopes que você escolha.

Começamos degustando uma Session American Ipa (família Ale) com ABV 4,8%, produzida em Campinas. Esta tem um “drinkability” maior. Termo que aprendi lá. Uma India Pale Ale leve e refrescante.

Perguntei se as cervejas tem que estar estupidamente geladas como é de natureza do brasileiro exigir. Mas não, somente as Lagers que sim, as outras podem estar frescas.

Passamos para uma Jupiter Apa, uma America Pale Ale (família Ale) com ABV 5.4%. Com um “corpo” maior e mais amarga que a primeira , está desde 2005 no mercado brasileiro e é fabricada por um dos sócias da Choperia SP. É uma cerveja dourada, leve e refrescante. Ela não é filtrada nem pasteurizada, o que preserva seu aroma cítrico característico dos lúpulos americanos usados no dry hop.

Outra curiosidade que aprendi foi que segundo Harriot, Chope = Cerveja. O que muda é somente que o primeiro é uma cerveja na pressão e a última é engarrafada ou em lata. Além das leveduras estarem vivas somente nos barris de chope.

Antes de continuarmos o chopeiro tirou meio copo para que eu provasse uma cerveja de Fermentação Espontânea. Suricato Palesauro, de Porto Alegre com ABV 5,5%, que é a cerveja “convidada” da casa. Diferente de tudo que já provei, tem sabor bem cítrico e cor amarelada. Um pouco mais difícil para meu paladar.

A 3a prova foi a Leuven Red Ale, de Piracicaba. Considerada uma Irish Red Ale onde tem um perfil do malte mais acentuado e também mais doce com coloração avermelhada. 5,5% ABV.

As características do malte e do lúpulo presentes em todas as cervejas são que o primeiro da a cor e a doçura e o segundo o amargor, sabor e aroma, ou seja, funciona como o “tempero” da cerveja, segundo Harriot Junior.

MALTE = COR E DOÇURA

LÚPULO = AMARGOR, SABOR E AROMA

Por último provamos uma cerveja de Itupeva, a Blondine Hop Damage, ABV 7.5%, com maior teor alcoólico mais doçura e amargor ao mesmo tempo.

Resumindo, começamos com uma cerveja leve, passando para uma amarga depois mais adocicada e por último unindo o doce com o amargor.

Recomendo se sentar ao balcão do bar, onde acima das 20 torneiras de chope existe uma tabela com o resumo das características das cervejas, a procedência e o custo o que facilita bastante a sua escolha.

A cervejaria serve doses de 190ml (R$ 6 a R$24) , 290ml (R$ 9 a R$37), 473ml (R$ 15 a R$60), 1L e 1,8L (jarras pedidas por grupos). E vende uma garrafa super bacana a R$10 que vc pode levar a cerveja que escolheu para casa.

Perguntei qual era a “cerveja do momento”, ou seja a tendência ou o tipo mais pedido. Harriot me falou sobre a Jupiter Andromeda NE IPA, ABV 5,8% produzida em São Paulo por David Michelson. Aspecto turvo, cor palha amarelada de médio amargor com cítricos.

A experiência vale a visita e além de receber uma aula sobre esta bebida tão deliciosa, sai de lá pronta para me aventurar neste mundo das cervejas artesanais brasileiros.

CHOPERIA SÃO PAULO
Rua dos Pinheiros, 315
Telefone: (11) 3360 5101
Abre de 2a a 6a das 18 a 1h / Sábado das 14 a 1h e Domingo das 16 as 23h
www.choperiasaopaulo.com.br

arquiteta, cenógrafa e blogueira de coquetelaria

Juliana Raimo presta consultoria em coquetelaria para veículos de comunicação, desenvolve cardápios de drinks conceituais junto a bartenders convidados para eventos e presta consultoria para restaurantes na conceituação e realização de cartas de drinks. Realiza também festas temáticas que unem a coquetelaria, gastronomia, arte e música. Já escreveu para mídias como Revista da Gol, Prazeres da Mesa, site Dedo de Moça, site B-Coolt entre outros. Desde 2009, assina a coluna drinkme no blog Gastronomix. Com mais de 300 artigos publicados, fala do universo dos coquetéis e convida o leigo a aprender a arte de preparar e apreciar um bom drink. Atualmente, realiza degustações de drinks por toda a cidade e leva ao leitor dicas de onde ir, quais bartenders procurar e o que beber em São Paulo e pelas cidades que passa.

Deixe um Comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.