Chá Preto: a razão do meu afeto!

Chá Preto

Abra o seu coração que o chá preto chegou. Meu pretinho tão querido – e de boa parte do mundo – foi minha porta de entrada no fascinante mundo do chá que, como você bem sabe, para mim é puro afeto. Foi em suas águas que curei saudades de casa, adolescente, longe dos pais, em um país novo, na companhia da minha doce landlady Sue.

Mais tarde, na Índia, quando se apresentou misturado a especiarias e me deu aquele abraço, descobri seu poder de sedução e me entreguei completamente ao seu caminho de sabores. Ah, o chá preto… Tantas nuances, tanto poder. Sempre encantador! 🙂

Não, não faça essa cara de que não sabe do que estou falando. O chá preto é o mais consumido em todo mundo e se você tomou e não gostou é porque não provou o chá certo, no momento certo, do jeito certo. Temos variedades incríveis, que envolvem tipo de processamento e/ou regiões produtoras, que uma delas vai se adequar ao seu paladar. Juro!

É o mais oxidado da nossa coleção e, portanto, tem bastante cafeína, pelo que se torna um ótimo aliado para enfrentar as manhãs sonolentas; ainda assim, contém menos cafeína que uma xícara de café e sua absorção é gradativa, característica comum a todos os seis tipos de chá, o que é ótimo, já que nos mantém concentrados por mais tempo.

Sozinho ou combinado com leite, pode transformar o café da manhã em experiência europeia. Dá até pra chamar Betinha, a rainha, pra acompanhar!

Pode se apresentar em folhas inteiras ou quase inteiras ou de forma mais processada, em pedaços pequeninos ou uma poeirinha (abra seu chá de saquinho para saber do que estou falando!). Em regra, quanto mais inteira a folha, mais sabor e mais aroma complexidade o chá terá… Viva o chá a granel! Deixe o pozinho para misturas com leite ou preparo com especiarias, já que desse modo, sozinho, costuma ser menos saboroso e um pouquinho mais amargo.

A Índia ((❤)) é a principal produtora de chá preto no mundo, mas ele também é cultivado e processado por países como China, Sri Lanka, Quênia, Taiwan e Tailândia, de forma igualmente especial. Grandes expoentes deste tipo de chá são os de Darjeeling (considerado o champanhe dos chás, eu aaaaaamo!) e Assam (mais forte e encorpado).

Para o preparo, sugiro o tempo de 2 a 4 minutos, em temperatura de 80 a 95oC, não mais que isso. Lembre-se que estamos falando de chás puros, e não de blends ou misturas, sobre o que iremos falar mais à frente.

Pois me diga, o que acha do chá preto? Já tomou algum, sem ser o industrializado, de saquinho? Conte-me tudo, não me esconda nada. Quero dividir experiências com você, que também é a razão do meu afeto… E dessa coluna, né?

Ah, se quiser me acompanhar pelo Instagram ou Facebook , costumo postar umas imagens que ilustram na prática tudo o que falamos por aqui, feitas a partir do meu #momentomágico: @chazeira (insta) ou @eloinachazeira (face) . Te espero lá, pra não morrermos de saudade até a próxima quinta, certo? 🙂

Um beijo de chazinho bem quentinho!

Especialista em chás

Se tiver chá, lá ela estará! Apaixonada pelo mundo dos chás e tudo o que com ele se relaciona, de porcelana a livros, de lugares a receitas, de comidinhas a experiências. Acredita que a xícara perfeita é capaz de criar momentos mágicos; a eles se entrega com toda a sua verdade... E eterna curiosidade! Especialista em chás e tea blender por paixão, servidora pública por profissão. Em Brasília/DF.

Deixe um Comentário

Your email address will not be published. Required fields are marked *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.